1º - Introdução ao Aperto de Mão

Nada Melhor do que começar com um gesto simples, mas que pode decidir o rumo de uma situação, antes mesmo de começa-la. O Aperto de Mão.

É importante que, na vida real, interprete esses movimentos, sempre, dentro do contexto onde estão inseridos. Por exemplo, ter os braços cruzados ao nível do peito numa reunião, pode significar que está na defensiva relativamente ao que está a acontecer. Não obstante, num dia de inverno, alguém que está sentado na paragem de autocarro, de braços cruzados, pode significar, simplesmente, que está com frio. A primeira noção que deve absorver, quando falamos de Linguagem Corporal, é a de “contextualizar”.

Em situações de grande stress, como uma entrevista de emprego, uma apresentação em público, ou um interrogatório, é possível que a pessoa manifeste sinais de mentira, simplesmente porque está nervosa (e não porque esteja, propriamente, a falsificar informação). É importante que a interpretação da Linguagem Corporal seja realizada em situações, em que a pessoa está com um nível normal de stress. Numa entrevista ou num interrogatório, por exemplo, é necessário que o entrevistador, ou quem está a liderar a conversa, coloque a pessoa à vontade, num estado de tranquilidade.

A “calibração” é, por isso, outra das competências que é necessário desenvolver. É importantíssima na interpretação das posturas corporais. Calibrar trata-se de avaliar qual é o registo normal de uma determinada pessoa, num contexto particular. Por exemplo, quando uma pessoa é atacada verbalmente, é expectável que manifeste, através do seu corpo, uma postura defensiva e fechada. Isto não significa que a pessoa seja introvertida ou tímida trata-se, tão somente, de uma reação normal a um ataque.

Existem pessoas que revelam, habitualmente, Microexpressões de tristeza, o que pode apontar para a existência de algo no seu passado por resolver, e que lhe continua a causar sofrimento. Repare, neste caso, a pessoa manifesta tristeza através das suas expressões faciais, não por alguma coisa que você lhe tenha dito no momento mas, simplesmente, porque é o seu registo habitual. É indispensável, desta forma, para alguém que quer analisar a Linguagem Corporal de alguém, que calibre o registo normal da pessoa e, com base nesse ponto de referência, comece a sua interpretação.

Se tiver que escolher entre aquilo que o corpo de alguém lhe diz e as palavras, escolha o corpo! Se vir um copo partido na cozinha e perguntar, de imediato, ao seu filho: “quem partiu o copo?”; e se ele responder: “eu não fiz isso…” e levar as mãos à boca, em que vai acreditar? Nas palavras ou na linguagem corporal? O corpo revela a verdade do que a pessoa pensa e sente, e as crianças, em especial, são muito genuínas.
O que estamos a sugerir é que, primeiro, observe bem o corpo e a seguir coloque as palavras em perspetiva. Alguém que está a dizer a verdade mostra congruência entre aquilo que o seu corpo revela e as suas próprias palavras.

Conheça as mãos

As posições das mãos:



Figura 1: Mãos abertas com as palmas viradas para cima

As mãos abertas e com as palmas voltadas para cima, significa que não tem nada a esconder.



Figura 2: Mão aberta com a palma virada para baixo

A palma da mão virada para baixo é um sinal de posição dominante, que lhe confere uma autoridade instantânea. Um professor, por exemplo, pode retirar grande utilidade deste gesto, quando necessita de recuperar o controlo da turma. Se o seu chefe utilizar este movimento quando lhe está a pedir para terminar o “tal” relatório, é melhor que o leve a sério!



Figura 3: Apontar o dedo

Tenha cuidado com este gesto. Apontar o dedo não causa uma impressão positiva e revela agressividade. Se quer identificar uma pessoa, ou objeto, à sua volta, aponte com a mão aberta, tem um significado muito menos hostil. Se quer pontuar o que está a dizer, utilize o dedo indicador ligeiramente dobrado e a tocar no polegar.

Aperto de mão:

Se quer cumprimentar alguém com um aperto de mão dirija-se à pessoa de braço estendido. Tome sempre a iniciativa porque demonstra cordialidade e receptividade.



Figura 4: Aperto de mão submisso

Neste caso, a pessoa do lado direito da fotografia está a transmitir uma atitude de submissão relativamente à outra, que tem a mão “por cima”




Figura 5: Aperto de mão neutro
Este aperto de mão, transmite que ambas as pessoas estão no controlo da situação. Nenhuma das pessoas, na foto, tem a palma da sua mão orientada para cima ou para baixo.




Figura 6: Aperto de mão dominante

Nesta foto, a pessoa da esquerda assumiu o controlo da conversa.




Figura 7: Recuperação do controlo da situação

Suponha que um colaborador seu, numa reunião importante que você vai liderar, diante dos outros participantes, lhe dá um aperto de mão dominante. Isso pode minar a sua autoridade. Para evitar que isso aconteça, mantenha a calma, e coloque a outra mão no cotovelo ou no braço do seu interlocutor. Se preferir pode, em simultâneo, dar um ligeiro passo em frente. Esta tática, vai permitir-lhe reassumir o controlo da situação!

Existem, ainda, pessoas que nos estendem uma mão frouxa e, outras, que nos apertam a mão como um alicate. Isto oferece-nos pistas sobre a personalidade da pessoa (mais submissa ou mais dominante).

Exercícios para a próxima semana:

Durante a próxima semana, esteja atento a cada aperto de mão que você dá.
Como é que cada pessoa lhe estende a mão?
O que pode percepcionar acerca da pessoa, através do aperto de mão?
O aperto de mão é congruente com a relação que tem com essa pessoa?
O aperto de mão coincide com a impressão geral de tem da pessoa?

Escreva uma ou duas experiências que se destacaram.
Desta forma, aprende mais facilmente os aspectos básicos do aperto de mão e pode começar a orientar a sua atenção para a Linguagem do Corpo!

 

Como saber o que pensa de si