Leitura Fria - Personalidades e Myers-Bringgs -3

Você só tem que dar uma olhada à sua volta para ver que as pessoas têm uma grande diversidade em suas personalidades. Algumas são bem vivas e animadas, enquanto outras tendem a ser mais quietas e reservadas. Algumas são mais analíticas em suas decisões, enquanto outras se baseiam mais em seus sentimentos. Algumas preferem planos cuidadosamente planejados e vidas bem ordenadas e outras são a favor da espontaneidade. Todas essas características diferentes é o que torna cada um de nós único. Porém, ainda com todas essas diferenças, nós somos mais parecidos do nós gostaríamos de admitir.

Desde a Grécia antiga os tipos de personalidade são estudados. Hipócrates foi o pioneiro. Depois de Hipócrates, Carl G. Jung determinou que existiam quatro tipos de funções que determinam as nossas personalidades: sensação, razão, intuição e sensorial. Ele também distinguiu duas formas de atitudes/temperamento das pessoas em relação ao objeto: a pessoa que prefere focar a sua atenção no mundo externo de ideias e pessoas (extroversão), e/ou no mundo interno de ideias e impressões psíquicas (introversão). Cada tipo de disposição representa tão somente uma preferência natural do indivíduo no seu modo de se relacionar com o mundo, semelhante à preferência pelo uso da mão direita ou da mão esquerda. Assim, em relação ao tipo introvertido e extrovertido ele revelou: “um encarrega-se da reflexão (introvertido); o outro, da ação (extrovertido).” Porém isso só é uma tendência, sendo que ninguém é puramente extrovertido e vice-versa. Também é interessante saber que de acordo com a maioria das pesquisas feitas, aproximadamente 75% das pessoas têm tendência a serem extrovertidas.

Indicadores de Myers-Briggs

A classificação tipológica de Myers-Briggs é o teste mais aceito atualmente para identificar características e preferências pessoais. Muito usado por empresas para selecionar candidatos, trata-se de um indicador de tipos básicos baseado nas teorias de Carl Jung e é o resultado da labuta incansável de Katherine Cook Briggs e sua filha, Isabel Briggs Myers. Ambas passaram 40 anos pesquisando e catalogando os diversos tipos de personalidade das pessoas, levando em conta suas diferentes atitudes diante do mundo e da vida. Em 1962, finalmente, as duas resumiram seu trabalho num questionário que identificava 16 tipos de personalidades diferentes que podem ser ordenadas em quarto tipos de temperamentos diferentes.

As dicotomias

Extroversão Introversão
Sensorial iNtuição
Razão (‘T’hinking) Emoção (‘F’eeling)
Julgamento Percepção (‘P’erceiving)

As pessoas têm tendência a escolher uma dictomia em relação a outra, assim formando quarto pares, de acordo com como as pessoas adquirem informações, tomam decisões, se comunicam com o mundo exterior, etc.

Funções: Jung identificou dois pares de funções psicológicas:

  • Duas funções de percepção (P): sensorial e intuição
  • Duas funções de julgamento (J): razão e emoção

(1) Sensorial e Intuição (S – I)

Essas são as funções que representam a aquisição de informações novas. Elas descrevem como informações novas  são compreendidas e interpretadas. Indivíduos que são mais sensoriais têm mais tendência em confiar em informação palpável e concreta, isto é, informações que conseguem serem entendidas pelos cinco sentidos. Esses indivíduos tendem a desconfiar de intuições e pressentimentos. Preferem ver coisas detalhadas e fatos.  Para eles, o significado está nos dados. Por outro lado, os que preferem intuição tendem a confiar em informações mais abstratas e teóricas, que podem ser associadas com outras informações. Esses normalmente estão mais interessados em possibilidades futuras.  Eles tendem a confiar nos flashes e palpites que parecem vir do inconsciente.  O significado aqui está em como ela pode se relacionar com outras informações.

(2) Emocionais e racionalistas (T – F)

Essas funções controlam como um indivíduo toma decisões. Tanto o emocional quanto a razão podem ser usados para tomar decisões, baseados nos dados e informações adquiridas pela função (S – N). Aqueles que tendem a ser mais racionais preferem decidir coisas de um modo imparcial, medindo a decisão pelo que acham racional/razoável, lógico, casual, consistente e com regras. Os indivíduos que são mais emocionais tendem a tomar decisões dependendo e enfatizando o tipo de situação, dando um olhar mais por dentro e balanceando o consenso considerando as necessidades das pessoas envolvidas.

De acordo com Myers-Briggs cada pessoas tem uma função dominante, contudo, as pessoas usam as 4 funções dependendo da situação e circunstâncias.

(3) Atitudes (E – I)

A preferência por extroversão ou introversão é chamada de atitude. Já descrevemos acima o que seria cada um dos dois.

Pessoas introvertidas (I) tendem a:

  • Ficar mais confortáveis sozinhas do que em uma multidão;
  • Tirar energia para atividades pessoas: leitura, escutar música, usar o computador, etc;
  • Ter alguns amigos bem selecionados e por um longo tempo;
  • Ficar cansado facilmente quando em um evento grande com muitas pessoas;
  • Precisar de descanso quando o trabalho requer muitas responsabilidades sociais, como em festas etc.

Pessoas extrovertidas (E) tendem a:

  • Se sentir mais confortáveis em grupos de pessoas do que sozinhas;
  • Ter energia para interagir com outras pessoas ou grupos;
  • Ter um grande numero de amigos e conhecidos;
  • Falar com desconhecidos facilmente e puxar conversa;
  • Precisar de contato com outras pessoas para se sentirem “vivas”;
  • Se sentir muito sozinhas quando não entram com contato com pessoas durante muito tempo.

(4) Estilo de Vida (J – P)

Myers-Briggs adicionou outra dimensão à tipologia do modelo de Jung, identificando que as pessoas também têm a preferência de usar a função J (juntamente com a razão ou a emoção) ou a função P (juntamente com os sentidos ou a intuição) para se relacionarem com o mundo exterior. A isto chamaram o embaixador para o mundo externo.

Myers e Briggs acreditavam que as pessoas com preferência para a a função J mostram ao mundo sua função (T – F) escolhida. Então, tipos TJ tendem a se mostrar para o mundo como pessoas lógicas e tipos FJ como mais sensíveis. De acordo com Myers, os tipos J gostam de “ter negócios e assuntos resolvidos”. Os tipos que tendem à percepção (função P), tendem a mostrar para o mundo sua função (S – N) escolhida. Tipos SP tendem a aparecer ao mundo como concretos e NP como abstratos. De acordo com Myers os tipos P preferem deixar “as decisões em aberto”.